Você sabe o que significa a expressão Caixa 2? Entenda!

Em época de eleição e de política, muito se fala em nomes que significam alguma coisa ruim. Mas, nem sempre sabemos exatamente do que se trata, não é mesmo? Caixa 2, por exemplo, é uma nomenclatura já comum no Brasil. Mas, você sabe o que significa?

Fizemos este conteúdo com o intuito de te ajudar a entender a ideia por trás do conceito e agora, todas as vezes que você ouvir a expressão vai entender exatamente do que se trata. Isso é importante, entre tantos motivos, para fazer escolhas conscientes no dia das eleições.

Você sabe o que significa a expressão Caixa 2? Entenda!

O que é o Caixa 2?

Quem é que nunca ouviu falar no Caixa 2? Principalmente entre partidos políticos há sempre uma indireta aqui, um comentário lá e uma notícia acolá. De maneira geral, trata-se de uma forma de fazer corrupção.

Assim sendo, Caixa 2 é qualquer dinheiro que entra ou sai de uma empresa (que também pode ser um partido político) sem ser declarado aos órgãos de fiscalização, principalmente, à Receita Federal.

Ou seja: é como se o caixa 1 cuidasse da grana oficial da empresa (conforme as leis e as regras) e o caixa 2 ficasse com a missão de deixar os recursos escondidos (já que não foram declarados).

Assim , quem utiliza dessa artimanha deixa de pagar os impostos referentes àqueles valores e acaba usando para outros fins.

A política brasileira

O Caixa 2 é um nome muito usado no vale-tudo da política no Brasil, considerando que a lei estabelece limites para a arrecadação e gastos com campanhas eleitorais. Então, o Caixa 2 acaba escondendo os valores acima do que é estabelecido em lei.

Por isso, os partidos políticos utilizam o Caixa 2 para poder driblar essa imposição à  da lei eleitoral.

Quem tem mais dinheiro, obviamente, consegue fazer campanhas mais poderosas. E aí, em troca, se o candidato ou partido vencer, ele poderá atuar ilegalmente para poder criar vantagens ou atender aos interesses de quem doou o dinheiro no Caixa 2.

Então, quem pratica Caixa 2 está fora da lei, como vamos falar abaixo. Mas, a prática se deve a uma gana para vencer as eleições, já que com mais grana e mais campanhas, o político passa a ter mais chances de vitória.

A lei

A lei diz que existe um gasto controlado, que deve ser o limite máximo gasto em campanhas eleitorais, sendo que o valor é atualizado a cada eleição com novos cálculos e a partir do maior valor declarado na eleição anterior na disputa.

Exemplo: para prefeito de São Paulo no ano de 2016, o teto foi de R$ 45,4 milhões. Já em Salvador foi de R$ 14,6 milhões.

E quem fiscaliza essas contas, além das doações e gastos de um partido é o Tribunal Superior Eleitoral, com total apoio dos Tribunais Regionais.

No Brasil, infelizmente, o crime compensa.

E, ainda que o Caixa 2 seja um crime, ele é praticado descaradamente. Isso porque a sua identificação e punição ainda fazem parte de um processo muito nebuloso e nem sempre um político que fez essa falcatrua paga pelo erro.