Serasa dá 3 dicas para saber se a parcela do empréstimo cabe no orçamento

Atualmente, muita gente pede empréstimo sem ter a certeza de que vai honrar com esse compromisso financeiro. O que acaba gerando um grande problema porque se a pessoa não pagar em dia ela terá multas e encargos e juros.

Além disso, ela pode ficar negativada no mercado e ter problemas até mesmo na hora de viajar ou conseguir um cartão de crédito. Logo, pensando nisso, o Serasa divulgou alguns cuidados que se deve ter com o empréstimo.

Serasa dá 3 dicas para saber se a parcela do empréstimo cabe no orçamento

As dicas são voltadas para o valor da parcela desse empréstimo. Afinal de contas, você sabe até quanto pode comprometer do seu orçamento financeiro? O Serasa sabe e a gente vai reproduzir abaixo parte do que o órgão diz.

“Antes de sair correndo para pedir empréstimo ou financiamento, respire fundo e responde para você mesmo: por que preciso desse dinheiro”. Feito isso, você tem que tomar alguns cuidados, conheça-os.

1 – A lista dos gastos

O Serasa diz que a primeira atitude inteligente que se pode ter é fazer uma lista completa dos gastos que se tem no mês e no ano. O ideal é ter a lista mensal, mas não se pode esquecer de gastos anuais e pontuais, como impostos.

Então, anote aí as contas de água, de luz, de gás, de telefone. E também a passagem de ônibus, o jantar fora, o presente de aniversário. Tudo precisa estar anotado porque você tem que saber qual é o seu gasto médio mensal.

Obviamente, o Serasa diz que “se os seus gastos estão iguais ou até maiores do que o tanto que você ganha por mês, a parcela do empréstimo não vai caber no seu bolso”. O resultado é um só: você tem que cortar gastos antes de solicitar o empréstimo.

2 – O comprometimento de 1/3 da renda

A segunda dica do Serasa tem a ver com o quanto de comprometimento você pode ter com a parcela do empréstimo. A regra geral diz que o valor máximo deve ser de 1/3, o que dá aí algo como 33% de tudo o que você ganha no mês.

“Quando for pedir um empréstimo fique atento para que a parcela não seja maior do que 1/3 do que você ganha no mês”. Assim sendo, o Serasa ainda dá o exemplo de que R$ 900 tem um valor máximo de R$ 300 para a parcela.

3 – As opções do mercado financeiro

A última dica do Serasa vai além de saber se a parcela cabe no seu bolso: o jeito é pesquisar todas as opções variáveis que existem no mercado. “Compare o custo efetivo total porque cada banco ou financeira tem um valor”.

E nunca se esqueça de que além do CET, o ideal também é anotar e estudar os custos extras, os encargos, os impostos, as tarifas e outras despesas que podem aparecer. Alguns bancos cobram até cadastro se você não for cliente.

Nessa questão de ver as opções do mercado também entra a importância de fazer uma leitura completa do contrato antes de assinar o documento. “Se tiver alguma dúvida, pergunte ao banco e não assine sem ter certeza do que aquilo quer dizer”.