Dia da Mulher: será que elas consomem mais do que os homens?

Em homenagem ao dia da mulher, que se aproxima, hoje vamos trazer aqui uma reflexão muito legal que tem a ver com o assunto financeiro. Por que há um “boato” em todo país de que as mulheres consomem mais que os homens… Será verdade?

Acontece que dentro dos nossos lares e das empresas, de forma geral, a mulher vem ganhando espaço e vem fazendo a diferença em todos os setores da nossa economia. Por isso, ela tem sido o destaque em vários assuntos, como no financeiro.

Dia da Mulher: será que elas consomem mais do que os homens?

Mas, mesmo sendo cada vez mais poderosas e até mesmo idolatradas, existe um grande preconceito ainda em relação a mulher, como no fato de serem criticadas por serem gastonas demais e comprarem produtos na emoção.

Vamos direto ao assunto!

Basta comparar as remunerações junto ao mercado de trabalho: é covardia o que acontece com a mulher até o porque ela tem cargos equiparados aos homens e ganham muito menos.

Tem alguma coisa errada nisso! Não acha?

Outro preconceito existente é ouvir que as mulheres são consumistas e gastonas, que compram bolsas, sapatos, jóias sem pensar.

Isso não é justo.

Por outro lado, homens são vistos como menos consumistas e que só gastam o necessário. Só que basta ver os gastos com bebidas, churrasco e futebol, por exemplo, para ver que nem tudo é verdade.

O que diz a ciência?

Algumas pesquisas apresentam resultados que mostram que as mulheres são mais endividadas do que os homens.

Por outro lado, os especialistas financeiros afirmam que elas têm mais dívidas porque movimentam mais o dinheiro.

Por exemplo, a explicação está no fato de que hoje em dia a mulher tem sido dona do lar e das responsabilidades financeiras, por isso, está com mais dívidas do que os homens, que perderam o espaço.

Portanto, toda essa movimentação de dinheiro não se faz para ela e sim para a família, filhos e cônjuges. O resultado é que é necessário que todos, não só ela, mas todos da família se eduquem financeiramente.

Tempos de mudanças

Se há um lado bom nessa história e que merece ser comemorado é que podemos perceber que as mulheres saíram na frente em relação a educação financeira. E estão bem mais dispostas a aprender sobre o assunto.

Hoje em dia, são milhares de mulheres que estão se educando financeiramente, se formando educadoras, inclusive, fazendo pós graduação em educação financeira.

E para completar tudo isso, basta olhar o nosso sistema de educação: a maioria dos docentes é formada por mulheres!

O importante é notar que independente se você é homem ou mulher, considere unir a sua família para discutir o dinheiro e as finanças. Ambos, juntos, podem fazer a diferença.

Não vai importar quem gasta mais se todos fizerem a lição de casa com a economia doméstica, por exemplo. A educação financeira é assunto de todos!