Como identificar e diferenciar os tipos de choro do bebê

Quem já teve a oportunidade de conviver com bebês, sabe o privilégio que é ter um pequeno serzinho para animar a casa. Seja você mãe, pai, avó, avô, tio, tia ou apenas um conhecido da família, deve saber bem do que estamos falando.

Porém, as responsabilidades que vem junto com um bebê são muitas, e pode acabar por assustar um pouco os papais de primeira viagem. Na verdade, eles precisariam de oito braços para dar conta de todas as necessidades dos seus filhos recém nascidos: trocar de fralda, amamentar, trocar de roupa, colocar pra dormir, entre tantas outras.

Entre essas tantas atividades, a mais dolorosa provavelmente seja descobrir por que o bebê está chorando. Isso porque, até o primeiro aninho, ele não tem domínio sobre a fala, e sua única comunicação é através do choro.

choro de bebê
Foto: (reprodução/internet)

Para tornar essa tarefa um pouco menos complicada, vamos te ajudar a identificar e solucionar os vários tipos de choro de um bebê nesse artigo.

Entenda por que seu bebê chora tanto

Antes de descobrir a causa do choro do seu neném, é muito importante saber o porquê ele faz isso. Ao contrário do que muita gente pensa, o choro não é desproposital, apenas por birra. Ele serve sim a vários propósitos, como pedir ajuda quando está com fome ou desconfortável.

Visto que eles não têm domínio sobre a fala até o primeiro ano, o choro é o modo com que eles se comunicam com os outros ao seu redor. Isso é ainda mais comum até os três meses, período conhecido como exterogestação, que é como se o bebê ainda estivesse sendo gestado, mas fora da barriga da mãe.

Além de se assustar com elementos do dia-a-dia, como barulho e luminosidade, ele também tem que lidar com suas próprias necessidades, como sono e fome. Por tudo isso, os bebês choram, e é muito importante que os pais e pessoas próximas tenham paciência e saibam como ajudá-los nesse momento tão delicado.

Choro pedindo contato físico

Como dissemos, os primeiros meses da vida do bebê são muito delicados, não apenas para os pais, mas também para ele. Por isso, é comum que esteja carente de atenção ou inseguro, precisando de contato físico com alguém. Nessas ocasiões, o choro do bebê é manhoso, e passa logo assim que alguém o embala nos braços.

Por isso, para esse tipo de choro, a melhor saída é brincar com a criança e confortá-la, fazendo-a se sentir segura e protegida. Para isso, você pode tentar trocar o berço ou carrinho pelo seu colo ou aquelas bolsas estilo canguru, que irão dar ao bebê o aconchego que ele tanto gosta. O vídeo abaixo é uma ótima demonstração disso:

Choro de desconforto

Como qualquer ser humano, os bebês também se sentem desconfortáveis em algumas ocasiões, o que pode levá-los a chorar bastante. Afinal, eles não conseguem resolver a situação por si só. E podem ser várias as causas disso, desde roupas apertadas até muito tempo passado em uma mesma posição no berço.

Por isso, quando seu filho estiver chorando bem irritado e se movimentando muito, pode ser que seja um choro de desconforto. Para resolver isso, procure identificar o que está incomodando a criança, e tente distraí-la da situação, para que ela fique confortável novamente.

Choro de susto ou medo

Todos nós com certeza já levamos algum susto na vida, e isso também ocorre com os bebês. Seja por causa de barulhos repentinos ou pessoas desconhecidas que ela nunca viu antes, os bebês podem começar a chorar. Isso costuma acontecer mais perto dos nove meses, que é quando a criança começar a enxergar e ouvir melhor o ambiente.

Quando estiver assustado ou com medo, é bem provável que o seu filho ou filha comece a chorar e berrar, dando pequenos saltos. Essa é uma reação orgânica e automática, como a que acontece conosco quando nos assustamos.

Para tranquilizá-lo, pegue-o no colo e faça carinho até que ele volte a se acalmar. Esse pequeno infelizmente sabe bem como é isso:

Choro de cólica

Até os três meses, o sistema digestivo dos nenéns ainda não está totalmente desenvolvido. Por isso, é provável que eles fiquem bem desconfortáveis com os movimentos orgânicos desses órgãos após mamarem, ou caso estejam nervosos e agitados.

Portanto, quando o bebê enruga a testa, fica com o abdome distendido e chora agudo e prolongadamente, pode ter quase certeza de que é um choro de cólica.

Para aliviar esse mal estar, os pais devem fazer massagem na barriga de seus filhos, esticando e encolhendo as pernas deles para que os gases saiam. Além disso, na hora da mamada, é recomendável que eles fiquem o mais eretos possível para não engolir ar, e que sejam colocados para arrotar.

Choro de fome e sede

Nos primeiros dias após o nascimento, esse é um dos choros mais comuns. Afinal, tanto a mãe quanto o bebê ainda estão se acostumando com a dinâmica da amamentação. Por isso, o bebê entende a fome como uma dor e, para resolver essa situação, arma o berreiro.

Porém, antes de começar a chorar alto e prolongadamente, ele emite alguns sinais de que está com fome, como chupar o dedo e abrir e fechar a mão. Por isso, quando você ver que seu bebê está fazendo isso, alimente-o, pois é a única maneira de parar o choro.

Se ele estiver muito agitado, é aconselhável acalmá-lo antes de alimentá-lo. A pequena Gaby sabe muito bem como é passar por isso:

Choro de manha

Apesar dos pais precisarem prestar muita atenção ao choro de seus filhos, é comum que eles chorem apenas por manha ou para chamar a atenção. Isso ocorre principalmente a partir dos nove meses, quando o bebê começa a entender que, por meio do choro, ele consegue o que quer, como colo ou comida.

Eles usam essa estratégia para conseguirem o que querem, e choram irritados para manipular os pais. Nessa ocasiões, esteja atento e, se achar que aquilo que seu filho pede é desnecessário, então não o dê. Afinal, se ele chorar e você ceder, ele vai começar a entender que pela birra conseguirá tudo o que quer.