Fiador – ser ou não ser, eis a questão!

Ser fiador de alguém é o mesmo que você assinar um cheque em branco para esta pessoa. E antes de dizer se isso é bom ou ruim para você, vamos entender quando é que ser fiador se torna uma coisa “necessária” para muita gente!

Isso é muito comum nas locações de imóveis, nos financiamentos e até mesmo quando a pessoa é  contemplada no consórcio.

Fiador - ser ou não ser, eis a questão! 1

O fato é que uitas vezes você precisa ter um avalista ou um fiador que faz com que essa operação seja aprovada. Portanto, nada mais é do que uma espécie de garantia para a empresa do crédito.

Sabendo disso, vale a pena ser fiador?

Quando você se torna um fiador, você está assinando embaixo que a pessoa vai arcar com os custos dela, seja o pagamento das parcelas do financiamento, as mensalidades do aluguel ou mesmo as parcelas restantes do consórcio.

Você tem bens? Então, você estará colocando esses bens em garantia, o que leva a você ter muito cuidado.

Isso porque se a pessoa não pagar, você terá que pagar. E se você não pagar também, os seus bens podem ser usados para quitar a dívida. Tá bom?

Por isso, tenha cuidado e veja para quem você está fazendo esse favor de ser um fiador.

Para saber se vale a pena…

E aí, lógico tem que fazer as suas contas.

Se este bem que você tem que está colocando em garantia é um bem importante para você, você pode estar aí deixando de tê-lo por um problema do outro.

O resultado é que existe o risco e esse risco você vai correr em caso de se tornar fiador de qualquer pessoa.

É importante que você entenda o contexto  da situação e saiba exatamente para quem você está fazendo favor.

  • Esta pessoa tem mesmo condição de honrar com esse compromisso?
  • É um compromisso muito longo, de anos?
  • Qual é o valor do compromisso?

Por isso, devemos ficar muito atentos para essa prática, que é muito utilizada ainda hoje no Brasil.

Alternativas à fiança

O que pouca gente sabe é que temos  alternativas à isso, que é o seguro fiança, por exemplo.

Essa operação do seguro fiança vem crescendo ano a ano e isso tem deixado os fiadores com mais tranquilidade.

O seguro fiança não deixa de ser um bom negócio. No entanto, tem um custo médio de 10% ao ano.

Por exemplo, um aluguel de R$ 1 mil vezes 12 meses vai gerar R$ 2 mil de seguro. Ou seja, estamos falando de 200 reais de custo desse seguro fiança.

Olha bem: é mais do que um aluguel… E isso pode custar caro para o seu orçamento.

Fiador ou seguro fiança?

Por isso, as pessoas acabam optando pelo fiador, que não custa nada a mais. Mas, para quem está sendo confiando, o negócio não é bom porque a pessoa não ganha nada e só tem a perder, né.

Ou seja, ele vai ter que arcar com esse prejuízo – se ele existir.

Por fim, saiba que ser fiador não é um problema, aliás ajudar uma amigo ou parente é muito legal.

Agora, você precisa ficar atento porque se esta pessoa que você quis ajudar não pagar, você pode estar perdendo não só o seu dinheiro, mas também o seu amigo ou parente!