Entenda o que é diástase pós-parto

A diástase pós-parto é muito comum entre as mulheres. Ela é gerada pelo afastamento dos músculos presentes no abdômen e do tecido conjuntivo. Geralmente, a diástase ocorre durante a gravidez, e é a principal causa de dor lombar e flacidez abdominal após o nascimento do bebê.

O afastamento dos músculos pode atingir 10 cm de distância, em razão da fraqueza desse tecido causado pelo crescimento da barriga na gravidez. Mas ao contrário do que a maioria acredita, a diástase não é um problema exclusivo da gestação

Entenda o que é diástase pós-parto
Fonte: (Reprodução/Internet)

Veja o que será falado por aqui: 

  • Como saber se tem diástase abdominal;
  • Tratamento para o problema;
  • Vídeo com exercícios;
  • Complicações.

Como descobrir se tem diástase?

Apesar do corpo da mulher mudar bastante com a gravidez, é possível identificar com facilidade se está com diástase abdominal. Para isso, será preciso tocar na região abaixo do umbigo, se ela estiver flácida e mole são sinais de que aconteceu o afastamento dos músculos. 

Entenda o que é diástase pós-parto
Fonte: (Reprodução/Internet)

Outra forma de identificar é observar se o abdômen apresenta alguma elevação ao agachar, levar peso ou tossir. Uma estratégia para ser mais assertiva é deitar de barriga para cima, pressionando o dedo médio e indicador aproximadamente 2 cm abaixo e acima do umbigo. 

Logo em seguida, basta contrair o abdômen como se fosse fazer um abdominal. Caso os dedos colocados na região citada não se moverem com a contração, isso é um sinal da diástase. Afinal, o natural é que ao contrair essa região dos dedos se movam um pouco para cima com a movimentação do músculo.

O que pode favorecer o problema

A diástase abdominal tem uma probabilidade maior de surgir em mulheres que têm mais de uma gravidez, dar à luz a bebê com mais de 4 quilos, ter uma gravidez de mês ou ser gestante com mais de 35 anos. Já para o público não gestante, a diástase pode ser desenvolvida em razão da fraqueza dos músculos do abdômen.

Dicas para tratar a diástase pós-parto 

Para a alegria das mamães, a diástase pós-parto é passível de tratamento. Além disso, com as iniciativas corretas as mulheres conseguem ter a tão sonhada barriga durinha. Veja alguns exercícios que podem ajudar nessa recuperação. 

Entenda o que é diástase pós-parto
Fonte: (Reprodução/Internet)

Fisioterapia 

Uma das formas naturais de tratar a diástase é através da fisioterapia. O tratamento é feito com o uso de equipamentos que promovem a contração dos músculos, como por exemplo o FES. O aparelho pode ser utilizado entre 15 a 20 minutos. O seu uso ajuda no fortalecimento do abdômen. 

Cirurgia

Para aquelas mulheres que querem uma recuperação rápida do abdômen, a cirurgia também é um recurso. Mas nesse caso ele é considerado a última opção. O procedimento é simples e é feito por meio da costura dos músculos

Algumas mulheres aproveitam a cirurgia e também fazem outros procedimentos como abdominoplastia ou lipoaspiração, a fim de remover a gordura excedente. Para posteriormente, costurar o músculo. 

Pilates clínico – Vídeo

Os exercícios de pilates clínico também são bastante utilizados para acabar com a diástase abdominal. No entanto, eles são recomendados com o acompanhamento de um personal trainer ou de um fisioterapeuta. 

O quadro de diástase pode piorar se esses exercícios forem feitos de forma errada. Isto porque com a pressão intra-abdominal, a separação dos retos aumentam podendo desenvolver até mesmo uma hérnia na região. 

Confira no vídeo abaixo alguns exercícios recomendados para corrigir a diástase:

Quanto tempo dura o tratamento 

A duração do tratamento irá depender do tamanho da diástase. Ou seja, quanto maior for o afastamento dos músculos mais difícil será a recuperação sem procedimento cirúrgico. 

Entenda o que é diástase pós-parto
Fonte: (Reprodução/Internet)

Todavia, se a diástase tiver o comprimento inferior a 5 centímetros o tratamento comum com fisioterapia e exercícios pode resolver o problema entre 2 a 3 meses. 

Uma dica interessante é que ao atingir 2 cm, a diástase pode ser tratada com exercícios isotônicos, atividades físicas que utilizam resistência e amplitude de movimento. Como por exemplo a famosa prancha. 

Cuidado com as complicações 

Quando a diástase não é tratada devidamente, ela pode acarretar outros incômodos como dor nas costas e na lombar. Esses sintomas aparecem porque os músculos do abdômen protegem a coluna durante a movimentação do corpo. 

Assim, se esses músculos estiverem enfraquecido, a coluna fica sobrecarregada aumentando a probabilidade de surgir hérnia de disco. Desse modo, o tratamento da diástase irá recuperar a união das fibras abdominais e o seu fortalecimento.