Descubra como Fazer o Cadastro Bolsa Família

Com a apresentação de alguns documentos é possível fazer o cadastro Bolsa Família rapidamente. A grande questão é como enviar essas informações e para quem. Aliás, você sabe quais os documentos necessários para solicitar o cadastramento no programa Bolsa Família?

É importante considerar que após o cadastro no Bolsa Família, muitas famílias podem contar com benefícios mensais e que são entregues pelo governo com a finalidade de auxiliar os integrantes que a compõe em várias questões, como na área de alimentação, educação e saúde.

Descubra como Fazer o Cadastro Bolsa Família

O cadastramento no programa Bolsa Família é o primeiro passo para quem quer receber o pagamento desta iniciativa do Governo. Porém, o que é mais aconselhável é procurar o setor responsável pelo programa no seu município.

Ficou interessado por este assunto? Preparamos um conteúdo muito interessante para você que quer saber mais. Por isso, a seguir, descubra como solicitar o cadastro Bolsa Família.

O Cadastro no Bolsa Família

Independente de qual seja a sua cidade, vai ser preciso fazer parte ativamente do Cadastro Único dos Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico). Aliás, todas as iniciativas do Estado que têm caráter beneficente, exigem este cadastro. Portanto, para se inscrever no CadÚnico, a necessidade é a de ter apenas uma pessoa responsável por toda a família.

Esse Responsável pela Unidade Familiar, também chamado de RF, deve ter ao menos 16 anos e, preferencialmente, ser mulher. Saiba que escolher essa RF é um item imprescindível para a realização do cadastro no Bolsa Família e, posteriormente, ter a chance de receber os benefícios sociais oferecidos pelo governo.

Essa responsável é quem vai poder garantir a veracidade das informações familiares quando estiver em contato com os entrevistadores. Aliás, este é mais outro passo para poder realizar o cadastro Bolsa Família. A RF escolhida também será responsável para atualizar os dados sempre que houver quaisquer mudanças.

O próximo passo, após deixar definido quem é o RF da família, é procurar o setor responsável pelos assuntos sociais da sua cidade. Geralmente, o local a ser procurado é o Centro de Referência de Assistência Social (Cras).

Requisitos para Cadastro no Bolsa Família

Todo Responsável pela Unidade Familiar deve apresentar, obrigatoriamente, o seu CPF (Cadastro de Pessoa Física) ou o Título de Eleitor, que são documentos pessoais que devem estar em mãos, para fazer o cadastro no Bolsa Família.

Já as outras pessoas que compõe a família, apenas um documento pessoal é exigido para o cadastro Bolsa Família, sendo que ele pode ser um desses: certidão de nascimento, certidão de casamento, CPF, RG, Carteira de Trabalho ou Título de Eleitor.

Quanto às exceções, elas valem para as famílias indígenas e quilombolas. Essas famílias que vão fazer o cadastro no programa Bolsa Família devem apresentar também o Registro Administrativo de Nascimento Indígena (RANI), o qual comprova a sua participação neste grupo de pessoas.

Outros documentos, que também são importantes para a realização do cadastro Bolsa Família, mesmo que não sejam obrigatórias, são o comprovante de endereço e o comprovante de matrícula dos estudantes.

Quando for fazer o seu procedimento de cadastro, esteja muito atento quanto a isso. Por se tratar de um programa beneficente do Governo, é levado com muita seriedade na hora de comprovar as condições de cada indivíduo que tenta o cadastro.

As faixas de renda

Além de ser extremamente importante levar a questão da documentação a sério, também é preciso respeitar as faixas de rendas que são estabelecidas para pode receber os benefícios do programa. Este é o ponto mais importante, por ser ele que comprova a real necessidade da família em fazer parte ou não do Bolsa Família.

Por esta razão, preparamos uma lista com fácil entendimento para que você verifique se a sua realidade se encaixa. Portanto, confira abaixo:

  • Renda de até R$ 77,00 (setenta e sete reais) por cada integrante que compõe a família;
  • Renda que vai de R$ 77,01 (setenta e sete reais e um centavo) a até R$ 154,00 (cento e cinquenta e quatro reais) por cada integrante da família. Este caso já prevê a inclusão do benefício do Bolsa Família, com crianças de 0 a 6 anos de idade inclusas no conjunto familiar.
  • Renda que vai de R$ 77,01 (setenta e sete reais e um centavo) a até R$ 154,00 (cento e cinquenta e quatro reais) por cada integrante da família. Essa faixa pode atender também a um conjunto que conte com gestantes, nutrizes, crianças de até 12 anos de idade e adolescentes que tenham até 15 anos.
  • Renda que varia de R$ 0,00 a R$ 154,00 por casa pessoa da família e conte apenas com adolescentes de 16 e 17 anos em sua composição.

Cadastro Bolsa Família sem Documentos

Se alguém da família não tiver documentos, a saída é optar pela entrevista que é feita por algum responsável do Cadastro Único. Ele irá orientar essas pessoas sobre qual a melhor forma para tirar os documentos pessoais exigidos. Vale ressaltar que a 1ª via da certidão de nascimento é gratuita.

No entanto, é preciso observar que para fazer o cadastro no Bolsa Família será necessário que o Responsável Familiar tenha os documentos obrigatórios e, ao menos, um documento de cada membro que forma a família.

Em casos de dúvidas na hora de fazer o cadastro no CadÚnico, que é essencialmente importante para o sucessivo cadastro no programa Bolsa Família, saiba que o Ministério do Desenvolvimento Social fica disponível no 0800-707-2003.

Críticas ao Bolsa Família

Ao longo dos anos, muitas famílias tem sido ajudadas pelos benefícios que este programa beneficente tem proporcionado. A quantia que é entregue mensalmente pode parecer pouco para alguns, enquanto que para outros é de extrema importância e valor.

No entanto, ainda assim, esta iniciativa é algo de muitas críticas em meio a sociedade. Na opinião de alguns grupos, o Bolsa Família não ajuda, apenas atrapalha o combate à pobreza no país. Para fundamentar este argumento, o dinheiro que é entregue mensalmente é apontado como uma forma de os indivíduos se acomodarem em suas realidades limitadas financeiramente.

Mas, se olharmos com cuidado, veremos que não é bem assim que acontece. Existem inúmeros casos de pessoas que souberam administrar bem o dinheiro recebido e fizeram com que ele fosse útil para criar uma nova realidade.

De fato, até podem existir pessoas que se enquadrem no que é defendido por quem não apoia o programa. Entretanto, não é sábio privar inúmeras pessoas de construir melhores condições financeiras apenas pelo desleixo de alguns.